Entenda como funciona o imposto de 20% para comprinhas de até US$ 50

A taxação de impostos de compras internacionais de pessoas físicas em sites como Shein e Shopee passa, agora, para análise do Senado Federal.

1.583

Publicada 29 de Maio, 2024 às 10:43

Compartilhar:
>> publicidade : ver novamente <<
Pixabay

Aprovada nessa terça-feira (28/5) pela Câmara dos Deputados, a retomada da taxação de compras internacionais de até US$ 50 (R$ 258, na cotação de 29 de maio) em sites como Shein, Shopee e AliExpress passa para análise do Senado Federal.

Com o eventual fim da isenção das comprinhas de imposto federal, qual é a proposta aprovada pelos parlamentares? Veja a seguir.

No texto do Projeto de Lei (PL) nº 914/2024, que institui o Programa de Mobilidade Verde e Inovação (Mover), o relator, o deputado Átila Lira (PP-PI), inseriu um "jabuti" um trecho com tema diferente do tratado inicialmente no projeto para acelerar o debate em torno da taxação das compras internacionais.

Agora, o imposto de importação sobre esses itens será de 20%. Além disso, será cobrado o Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) imposto estadual, com alíquota de 17%.

Acima dos US$ 50 e até US$ 3 mil (cerca de R$ 15,5 mil) o consumidor terá que pagar imposto de 60%, com desconto de US$ 20 do tributo a pagar (em torno de R$ 103), de acordo com o PL.

Isenção de imposto das comprinhas

Em agosto de 2023, o governo federal, por meio do Ministério da Fazenda, lançou o programa Remessa Conforme, visando colocar as empresas no radar, com análises de mercado e de impacto regulatório.

Desta forma, a Fazenda aplicou a isenção do imposto de importação das compras internacionais de pessoas físicas abaixo de US$ 50.

Com isso, as empresas de comércio eletrônico que aderiram ao programa têm isenção do imposto de importação, de caráter federal, nas remessas de pequeno valor aquelas até US$ 50 destinadas a pessoas físicas. Enquanto, em compras acima desse valor é aplicado o imposto de 60%.

Fonte: Metrópoles

** Quer participar dos nossos grupos de WhatsApp/Telegram ou falar conosco? CLIQUE AQUI.

VEJA MAIS NOTÍCIAS | Paraná / Brasil / Mundo