Detentos denunciam estupro de policial contra mulher presa dentro de delegacia

Investigador da Polícia Civil virou réu na Justiça após denúncia do Ministério Público.

5.823

Publicada 06 de Maio, 2022 às 11:48

Compartilhar:
>> publicidade : ver novamente <<

Um investigador da Polícia Civil do Mato Grosso do Sul, identificado como Elbesom de Oliveira, de 41 anos, virou réu na Justiça após ser acusado pelo Ministério Público de estuprar e ameaçar uma detenta, de 28, dentro de uma cela da delegacia de Sidrolândia, no interior do estado.

Segundo o Tribunal de Justiça (TJMS), o homem foi denunciado pelos crimes de estupro, importunação sexual e violência psicológica contra a vítima, que foi retirada da cela por ele.

De acordo com o boletim de ocorrência da Polícia Militar (PM), os detentos relataram ter sido subornados por Elbesom, que teria oferecido um celular a eles como troca para que não revelassem o estupro. Contudo, os homens solicitaram a presença de uma delegada de Sidrolândia para relatar o ocorrido. 

Ainda conforme os militares, os detentos também disseram que questionaram o investigador sobre a agressão. O réu teria negado o estupro e dito que a mulher estava menstruada e que, por este motivo, foi retirada da cela. A saída da vítima foi confirmada por imagens de câmeras de segurança.

Depois de ser agredida, a detenta relatou à delegada que foi forçada a ficar de joelhos e a fazer sexo oral no investigador, e informou ter sido vítima de abuso sexual na Sala Lilás da delegacia uma semana antes do crime, sendo obrigada, na sequência, a tomar banho após o estupro. O local não pode ser acessado por detentos sem a presença de funcionários.

Sobre a denúncia 

Na denúncia feita pelo Ministério Público do Mato Grosso do Sul, o investigador causou dano emocional à mulher, além de "constrangimento, humilhação e ameaça, gerando prejuízo à saúde psicológica e autodeterminação". O documento também enfatiza que não teria sido a primeira vez que Elbesom é suspeito de violência sexual contra a vítima. 

Alvará de soltura 

Para "resguardar a integridade física e psicológica" da mulher, a detenta recebeu alvará de soltura depois que a sua prisão preventiva foi revogada. O juiz alegou, na decisão, que, por ter sido estuprada, ela se tornou vítima, e uma permanência na delegacia seria ilegal.

Fonte: Itatiaia

** Quer participar dos nossos grupos de WhatsApp/Telegram ou falar conosco? CLIQUE AQUI.

Tudo Medianeira - Guia Empresarial

Lista telefônica empresarial

Missio Barbearia

(45) 3264-1266

(45) 99812-1717

Rua Riachuelo, 1477

Farmácia Cooperfarma

(45) 3264-9777

(45) 98822-8735

Av. Brasilia, 1435 Centro

VEJA MAIS NOTÍCIAS | Paraná / Brasil / Mundo