Imunidade diminuindo? Médica explica se você deve se preocupar com a vacina Pfizer

3.266

Publicada 13 de Outubro, 2021 às 08:58

Compartilhar:
>> publicidade : ver novamente <<

Há poucas dúvidas agora, estudo após estudo, na vida real e em laboratórios, nos Estados Unidos e em outros lugares, que a imunidade das pessoas começa a diminuir poucos meses depois de terminarem a série de duas doses da vacina Pfizer contra a Covid-19.

Embora a administração de duas doses da vacina crie uma forte resposta imunológica que reduz o risco de doenças graves em mais de 90%, a proteção contra infecções mais leves e assintomáticas diminui gradualmente.

Por isso, a Pfizer solicitou e recebeu autorização da Food and Drug Administration (FDA), a agência de regulação sanitária dos EUA, para adicionar reforços para pessoas que receberam a vacinação há mais de seis meses.

Mas os outros deveriam estar buscando reforços também? Quanto as pessoas deveriam estar preocupadas?

"Acho que esperamos que a imunidade diminua lentamente, com o tempo, mas não é motivo para as pessoas entrarem em pânico", explicou Ann Falsey, especialista em doenças respiratórias virais da Escola de Medicina da Universidade de Rochester.

"Não é como se, de repente, um dia você estivesse completamente suscetível, como era antes de ser vacinado", acrescentou Falsey, que está ajudando a conduzir os testes clínicos das vacinas Covid-19.

"As vacinas estão todas funcionando muito bem, Pfizer, Moderna e Johnson & Johnson , para doenças graves", disse Falsey à CNN.

"Agora, isso não quer dizer que possamos não chegar a um ponto em que realmente precisamos de pessoas para receber reforços para prevenir doenças mais graves. Mas, na verdade, a maioria das infecções invasivas são resfriados, talvez doenças semelhantes à gripe - não as doenças assustadoras que enfrentamos antes. Portanto, minha mensagem principal é: não entre em pânico. Você vai ficar bem".

Isso não impediu os norte-americanos de se aglomerassem em busca de reforços. Na semana passada, havia mais pessoas recebendo a dose de reforço do que registros de primeira dose aplicada no mesmo dia contra a Covid-19 no país.

Na sexta-feira, mais de sete milhões de americanos receberam as doses de reforço da terceira rodada de vacinas autorizadas para pessoas com condições imunocomprometedoras que provavelmente não obtiveram respostas adequadas às duas primeiras doses.

Esta semana, mais dois estudos aumentaram as evidências de que a imunidade da vacina da Pfizer diminui.

Um estudo de Israel cobriu 4.800 profissionais de saúde e mostrou que os níveis de anticorpos diminuem rapidamente após duas doses da vacina, "especialmente entre homens, entre pessoas de 65 anos ou mais e entre pessoas com imunossupressão".

Um segundo estudo do Catar mostrou que a proteção da vacina Pfizer atingiu o pico no primeiro mês após a vacinação e então começou a diminuir.

"Essas descobertas sugerem que uma grande proporção da população vacinada pode perder sua proteção contra a infecção nos próximos meses, talvez aumentando o potencial para novas ondas epidêmicas", escreveu a equipe em um relatório publicado no New England Journal of Medicine.

Como a proteção pode diminuir contra infecções leves ou assintomáticas e permanecer forte contra doenças graves?

É porque o sistema imunológico humano é complexo.

Os anticorpos formam a primeira linha de defesa, impedindo que um vírus entre em algumas células do corpo. Esta é a proteção que começa a se desgastar com o tempo.

Mas há uma segunda linha de defesa, imunidade baseada em células. As células chamadas células B e células T podem levar mais tempo para serem geradas do que os anticorpos, mas fornecem uma defesa mais ampla e de vida mais longa contra a infecção e são responsáveis ??por diminuições em infecções graves.

Portanto, embora as pessoas possam ser suscetíveis a doenças leves após serem vacinadas, é muito menos provável que adoeçam de verdade, acabem no hospital ou morram.

"Mas há muitos motivos pelos quais as pessoas não querem ficar doentes. Elas não querem passá-lo para seus entes queridos. As pessoas não querem passá-lo para crianças que ainda não podem ser vacinadas", disse Falsey.

O Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos reforça há meses que é por isso que mesmo as pessoas totalmente vacinadas precisam continuar tomando precauções contra a infecção, usar máscaras quando estiver perto de muitas outras pessoas que podem ou não ser vacinadas, especialmente em ambientes fechados, e preferindo locais bem ventilados.

O FDA está considerando aplicações no final deste mês da Moderna e da Johnson & Johnson para autorizar doses de reforço de suas vacinas. Anthony Fauci, diretor do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas, disse acreditar que uma terceira dose da vacina se tornará parte do regime padrão para Covid-19.

"Não é preciso invadir farmácias e entrar em pânico"

As pessoas que recebem reforços agora também foram as primeiras a serem vacinadas - em janeiro, fevereiro e março. Eles incluem pessoas com 65 anos ou mais, adultos com condições que os colocam em risco de doenças graves e pessoas em ocupações ou condições de vida que os colocam em risco de infecção acima da média.

Todos os outros deveriam se acalmar no momento.

"Eles simplesmente não precisam invadir as farmácias e entrar em pânico", disse Falsey.

As pessoas não devem receber doses de reforço se tomara a segunda dose da vacina Pfizer há menos de seis meses. De acordo com a profssional de saúde em um briefing da Casa Branca no mês passado, isso fará com que não obtenham a melhor resposta imunológica.

"Haverá tentações, por exemplo, para as pessoas que foram vacinadas recentemente, de não esperar pelo período de seis meses", reforçou a médica. Mas esperar vários meses após a imunização inicial para dar um reforço ajuda a produzir uma resposta mais forte.

As células do sistema imunológico que ajudam a restaurar a imunidade em declínio respondem de forma mais robusta se forem permitidas a entrar em um estado de repouso após a primeira rodada de vacinação.

Dito isso, a maioria das pessoas deve eventualmente planejar receber reforços, disse Falsey.

"Provavelmente será verdade para qualquer uma das vacinas, não apenas para a Pfizer - nos beneficiaremos com o aumento da imunidade. Isso não é a mesma coisa que dizer que é extremamente necessário", disse ela.

Embora as pessoas que se recuperaram de uma infecção tenham alguma proteção, elas ficam ainda mais protegidas se forem vacinadas também.

"Eu acho que depender apenas da sua própria imunidade natural, porque você se sente uma pessoa forte, é como jogar roleta russa", afirmou. Mesmo pessoas jovens e aparentemente saudáveis, ficaram gravemente doentes por causa da Covid-19 e morreram por causa dela.

"Eu nunca dependeria apenas da minha imunidade natural para resistir a esse vírus. É um agente muito, muito ruim", disse Falsey.

Fonte: CNN

** Quer participar dos nossos grupos de WhatsApp/Telegram ou falar conosco? CLIQUE AQUI.

Tudo Medianeira - Guia Empresarial

Lista telefônica empresarial

Restaurante Guarujá

(45) 9992-16553

(45) 99921-6553

Av. Brasilia, 1627 Centro

Jackson Garcia Advocacia

(45) 3264-5273

(45) 99808-8188

Av. João XXIII, 1888 Sala 02 - Centro

VEJA MAIS NOTÍCIAS | Paraná / Brasil / Mundo