Aprenda com os mestres como tirar do papel as resoluções de fim de ano

Estima-se que só 8% delas sejam cumpridas. Como mudar isso? Saiba o que prescrevem escritores, médicos, psicólogos e pensadores

320

Publicada 07 de Janeiro, 2020 às 10:29

Compartilhar:
>> publicidade : ver novamente <<

Desde garoto, o escritor Luiz Fernando Veríssimo já gostava de fazer listas com resoluções de fim de ano. Na crônica Resoluções, publicada na edição de 2 de janeiro de 2011 do jornal O Estado de S. Paulo e incluída na antologia Ironias do Tempo (clique aqui para comprar), o criador de personagens famosos como o detetive Ed Mort, o Analista de Bagé e a Velhinha de Taubaté cita algumas delas: "Usar fio dental depois de cada refeição", "Comer mais verdura" e "Fazer exercício". Aqui, no item seguinte da mesma lista, acrescenta, irônico, mais uma: "Encontrar maneiras originais de justificar a falta de exercício".

De uns tempos pra cá, esse gaúcho de 83 anos deixou de fazer resoluções de fim de ano. Em vez disso, aproveita as festas de Natal e Réveillon para ouvir os boleros de Luís Miguel, dançar com os filhos e comer rabanadas, uma de suas iguarias natalinas favoritas. "Resoluções são promessas que fazemos à nossa consciência, em que nem a nossa consciência acredita mais", faz graça.

Em 2011, o site americano 43 Things fez uma enquete para saber quais são as propostas de fim de ano mais populares que existem. Cerca de 8 mil internautas participaram da pesquisa. As três primeiras colocadas foram "perder peso", "aprender algo novo" e "guardar dinheiro". Outras bem votadas foram "arranjar um emprego", "ler mais" e "parar de fumar".

"Resoluções muito genéricas, como perder peso, por exemplo, tendem a não dar certo. O ideal é fazer resoluções mais específicas. Que tal se matricular numa academia de ginástica ou começar a correr na praia? Quanto mais específica, melhor. Isso aumenta as chances de sucesso", afirma o psicólogo Ronald Fischer, do Instituto D'Or de Pesquisa e Ensino (IDOR).

 
Fazer resolução de fim de ano é fácil. Todo mundo faz. Difícil é cumpri-la. Quase ninguém consegue. Um estudo da Universidade de Scranton, nos Estados Unidos, apurou que apenas 8% dos americanos cumprem as decisões que tomam no fim do ano. Entre os britânicos, o percentual é um pouco melhor: 12%.

A exemplo de Veríssimo, o psiquiatra Luiz Alberto Py também é adepto das listas. "No ano seguinte, lá pelo finalzinho de dezembro, gosto de pegar a lista do ano anterior e checar quantas resoluções consegui cumprir. O que eu fiz e o que eu deixei de fazer? Faltou disciplina, organização? O que posso fazer para melhorar? À medida que cumpro umas, acrescento outras", diz.

Tudo novo de novo
Mas, afinal, para que servem as determinações de fim de ano? Com a palavra, a escritora Martha Medeiros: "Resoluções são fundamentais o ano inteiro. Estamos sempre fazendo planos e tentando melhorar. Estão aí as segundas-feiras que não me deixam mentir. A segunda-feira é o dia mundial do começo da dieta, do começo da academia, do começo da vida sem cigarro. Mas o 1º de janeiro é o pai de todos os inícios. Por que não abraçar essa fantasia?", indaga a autora de Divã e Felicidade Crônica.

Para Frei Betto, elas servem para "prometer a si mesmo que, no próximo ano, serei melhor do que no atual". O escritor dá alguns exemplos: comer menos, fazer exercícios, atuar em uma causa social, ficar menos tempo nas redes sociais? "O problema é que muitos não passam das intenções às ações", lamenta o autor de Fome de Deus e Minha Avó e Seus Mistérios.

O que fazer para, como diria o frade dominicano, "passar das intenções às ações"? Para começo de conversa, o historiador Leandro Karnal, professor da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), sugere traçar apenas três metas. "Melhor do que trinta", frisa. Só que essas metas têm de ser exequíveis.

O filósofo Luiz Felipe Pondé, da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) e coautor de Felicidades - Modos de Usar, concorda e acrescenta: "Faça resoluções mais simples e menos audaciosas. Resoluções que levem em conta seu cotidiano real e não uma pessoa que não é você".

No que diz respeito ao número de resoluções, o neurocientista Sidarta Ribeiro, do Instituto do Cérebro da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, é ainda mais econômico: "Escolha apenas uma, pelo critério de relevância, e foque nela", recomenda o autor de O Oráculo da Noite: A História e a Ciência do Sonho.

Manual de instruções
Definidas as resoluções - ou resolução, no caso de Sidarta Ribeiro -, que tal partir para a ação? A dica de Ronald Fischer é estabelecer metas alcançáveis e, logo depois, estipular prazos realistas para persegui-las. "Metas inalcançáveis e prazos irrealistas podem gerar frustração. Fuja delas", sugere.

Para Luiz Alberto Py, nenhuma meta é alcançável se não houver disciplina. "Você gosta de si mesmo? Então, demonstre que sim e procure melhorar", provoca. Na opinião de Karnal, tão importante quanto a disciplina é a insistência. "Premie-se se atingir o objetivo proposto. E insista. Combine com um amigo ou amiga sobre atingir metas em comum. E insista. Reflita sobre o horizonte a ser alcançado. E insista. Não basta ter uma boa ideia, é preciso ter insistência", prescreve o autor de O Dilema do Porco-Espinho.

O mais importante, ressalta Martha Medeiros, é não se estressar. A lista de resoluções, explica, é só um empurrão. Não pode virar angústia. O que importa, continua, é estar psicologicamente aberto a evoluir. "Pior é não ter plano nenhum, objetivo nenhum, motivação nenhuma. Isso, sim, é desolador. Faça sua lista. Se você cumprir dois entre dez itens, já é um movimento a ser comemorado", incentiva.

Os conselhos dos mestres 

"Faça uma lista de suas resoluções. Quando chegar dezembro, dê uma olhada nela e confira quantas resoluções você conseguiu cumprir. Daí, pergunte a si mesmo: o que eu me propus a fazer e não fiz? Por que eu não consegui fazer? Faltou disciplina, organização? O que eu posso fazer para melhorar?"
Luiz Alberto Py (psiquiatra)

"Em vez de fazer resoluções genéricas, como perder peso ou aprender mandarim, dê preferência a resoluções mais específicas, como matricular-se numa academia de ginástica ou em um curso de línguas. Além disso, estabeleça metas alcançáveis e estipule prazos realistas".
Ronald Fischer (psicólogo)

"Escolha apenas uma resolução, pelo critério de relevância, e foque nela".
Sidarta Ribeiro (neurocientista)

"Faça resoluções mais simples e menos audaciosas. Resoluções que levem em conta seu cotidiano real e não uma pessoa que não é você".
Luiz Felipe Pondé (filósofo)

"Estabeleça três metas exequíveis (melhor do que trinta) e, todo dia 15, procure revisar suas resoluções. Reforce o motivo de sua meta. Premie-se se atingir o objetivo proposto. Combine com um amigo ou amiga sobre atingir metas em comum. Reflita sobre o horizonte desejado. E insista".
Leandro Karnal (historiador)

"Não se estresse com resoluções de fim de ano. A lista é só um empurrão. Não pode virar angústia. O que importa é estar psicologicamente aberto a evoluir. Pior é não ter plano nenhum, objetivo nenhum, motivação nenhuma. Isso, sim, é desolador! Faça a sua lista. Se cumprir dois entre dez itens, já é um movimento a ser comemorado".
Martha Medeiros (escritora)

 

 

Fonte: Saúde

** Envie notícias, fotos, vídeos e sugestões para o Guia Medianeira pelo WhatsApp CLICANDO AQUI.

Tudo Medianeira - Guia Empresarial

Lista telefônica empresarial

Óptica Weber Relojoaria e Joalheria

(45) 3240-2048

(45) 99812-3818

Rua Parana, 2038

Salão da Kelly

(45) 9991-93449

(45) 99919-3449

Rua espirito Santo, 2084

VEJA MAIS NOTÍCIAS | Paraná / Brasil / Mundo